O pênis é um órgão do corpo como o coração, rins, olhos, etc. Por isso, está sujeito às doenças e ao processo de envelhecimento natural de todos os seres vivos. Vários fatores podem contribuir para a disfunção erétil, agindo isoladamente ou em conjunto. Quase sempre a falha da ereção se dá por mais de um motivo.

Vamos simplificar dividindo as causas em orgânicas, não-orgânicas ou mistas.

CAUSAS ORGÂNICAS

São aquelas relacionadas com a saúde dos órgãos dos homens.

As Alterações Hormonais que produzem diminuição dos níveis normais de testosterona do sangue, podem inibir a ação do estímulo sexual no cérebro do homem, diminuíndo o seu interesse pelo sexo. Já está amplamente divulgado por vários trabalhos médicos, que a testosterna não atua nos mecanismos de obtenção ou manutenção na ereção.

As Alterações Neurológicas podem interferir em vários pontos de seu percurso, desde o cérebro, passando pelos nervos que conduzem o estímulo sexual pela medula e nervos pélvicos, até os delicados nervos penianos. Elas podem ser provocadas por diabetes, alcoolismo, esclerose múltipla, lesões na coluna vertebral ou complicações de acidente vascular cerebral (AVC), isto é, derrames.

As Alterações Arteriais são as mais freqüentes dentre as causas orgânicas. O estreitamento das artérias diminui ou impede que o fluxo do sangue chegue ao pênis. Se o sangue não chega ou não entra com a devida pressão no pênis fica impossível ocorrer a ereção. A arteriosclerose endurece e obstrui as artérias; no pênis não ocorrendo o relaxamento destas artérias o sangue não consegue ter a pressão necessária para enche-lo. Esta situação é comum na hipertensão arterial, no aumento do colesterol, no stress, nos indivíduos fumantes, sedentários e nos diabéticos.

As Alterações dos Corpos Cavernosos como fibrose e fístula para o corpo esponjoso, impedem que ocorra o mecanismo de pressão do sangue necessário para encher o pênis. Na fibrose o pênis não consegue se distender e na fístula o sangue que chega ao pênis logo retorna para o organismo. As fibras musculares dos corpos cavernosos, na fase de repouso peniano ficam contraídas, e só se relaxam no momento da ereção. A ansiedade faz aumentar os níveis de adrenalina no sangue. A adrenalina contrai essa musculatura lisa do pênis e também as artérias penianas, impedindo assim, que ocorra a ereção. A idade produz um enrijecimento dos tecidos do corpo e também da musculatura lisa do pênis, dificultando e muitas vezes impedindo a ereção.

As Alterações da Túnica Albugínea impedem o mecanismo de compressão e fechamento das veias penianas durante a ereção. Na ereção normal, os corpos cavernosos comprimem estas veias de retorno do sangue contra a albugínea, retendo o sangue no seu interior enquanto houver estímulo sexual adequado. Se a albugínea não for rígida o bastante, as veias permanecem abertas, deixando escapar o sangue. É a chamada "fuga venosa" ou disfunção veno-oclusiva.

As Alterações dos Neuro-Transmissores podem impedir que ocorra a ereção, pois o estímulo neurológico dos nervos do pênis não chega às células dos corpos cavernosos. Os neuro-transmissores mais importantes são o óxido nítrico, o GMPc e o PDE-5. O Diabetes é uma das causas mais comuns de disfunção erétil. Homens diabéticos têm maior chance de desenvolver este problema devido às lesões vasculares e lesões nervosas que provoca. A neuropatia diabética do pênis leva à uma diminuição na velocidade de condução dos impulsos elétricos pelo pênis. Estes pacientes costumam desenvolver a disfunção erétil entre 10 e 15 anos antes dos outros homens sendo que muitas vezes a impotência é a primeira manifestação do diabetes. Existem estudos mostrando que 50 a 60% dos homens diabéticos com mais de 50 anos sofrem de disfunção erétil.

A Hipertensão Arterial não tratada facilita e acelera a deposição de gordura nas paredes das artérias, endurecendo-as. As artérias penianas são muito finas e qualquer estreitamento pode ser suficiente para prejudicar o fluxo sangüíneo e a ereção. Basta uma pequena demora no enchimento do pênis de alguns homens para que logo apareça a ansiedade, dificultando mais ainda o mecanismo da ereção. Por outro lado, é comum o tratamento da hipertensão arterial,quando não bem conduzido, ter como efeito colateral a disfunção erétil seja pela ação dos medicamentos hipertensivos utitilizados, seja pela diminuição da pressão sanguínea do pênis.

As Drogas e os Medicamentos são causas comuns de disfunção erétil em qualquer idade. Estima-se que 25% das disfunções são secundárias a medicamentos. As mais freqüentes drogas são o tabaco do fumo, o álcool e a maconha. Dentre os medicamentos, os mais consumidos são anti-androgênicos 4( usados nos tratamentos de tumores malignos da próstata); finasterida (hiperplastia da próstata); diuréticos, metil-dopa, beta-bloqueadores, bloqueadores dos canais de cálcio (hipertensão arterial); tranqüilizantes, sedativos,descongestionantes nasais; cimetidina (úlcera péptica); digoxina (insuficiência cardíaca). Existem várias outras substâncias e medicamentos igualmente nocivos à ereção.

Outros fatores são menos freqüentes mas não menos importantes, podendo vir isolados ou associados a uma outra causa. Exemplos: doenças do coração, cirurgias abdominais ou pélvicas, tumores pélvicos, radioterapia, traumatismos da bacia ou genitais, obesidade, alimentação inadequada, sedentarismo, problemas da próstata, priapismo, doenças psiquiátricas, doenças crônicas e debilitantes, etc. Há uma grande incidência de disfunção erétil após cirurgias para o tratamento do câncer prostático.

O Stress é a doença do homem moderno, acomentendo praticamente todos aqueles que têm algum grau de responsabilidade profissional. Pode ser causa de disfunção erétil em homens de qualquer idade, agindo sozinho ou acompanhando alguma patologia. O stress é das principais causas de disfunção erétil entre os homens que operam no mercado financeiro.

CAUSAS NÃO ORGÂNICAS
O temor, o medo e a ansiedade, em geral, são as grandes causas, a nível psicológico das dificuldades da ereção. Entretanto, a desinformação sexual ainda é a grande vilã do homem moderno, que baseia seus conhecimentos em mitos e crenças distorcidos de nossa cultura. Podemos citar o exemplo de homens que temem serem rejeitados, se não apresentarem uma ereção rápida tão logo sejam solicitados. Homens com mais de 45 anos querem ter a mesma qualidade e rapidez de reação erétil que tinham aos 20-25 anos. Desconhecem que à medida que aumenta a idade, tornam-se diferentes as condições dos sistemas nervoso e do aparelho circulatório. Além disto, aumentam as exigências na qualidade dos estímulos.

A desinformação gera ansiedade,e, conseqüentemente, a falha que pode levar o homem ao seguinte círculo vicioso:



É importante frisar que, paradoxalmente, é o medo de falhar que faz com que o homem falhe; pois, quanto maior for o medo, mais facilmente o homem entrará neste crucial e fatal círculo vicioso.

O stress, a vergonha, a culpa e fatores externos, tais como dívidas e falta de dinheiro, também podem afetar, sendo como um grande gatilho para disparar o mecanismo circular da falha.

Algumas características pessoais são observadas em homens disfuncionais, tais como dificuldade de relacionamento, timidez, peocupação excessiva com a opinião alheia, perfeccionismo, rigidez, dificuldade em falar "não", etc.

Todavia, o maior problema das causas não orgânicas da falha erétil é o pavor que o homem brasileiro sente das terapias psicológicas. Eles tem medo de serem tomados por loucos, preferindo acreditar que seu mal é de origem orgânica e que uma injeção ou operação será o suficiente para resolver o problema.

De acordo com nossos dados estatísticos, se esses pacientes continuassem em tratamento, teriam uma surpresa: em quatro meses, com uma sessão de terapia por semana, 90% estariam curados.

As dificuldades eréteis de fundo psicológico freqüentemente estão associadas com ansiedade sexual, medo do fracasso, preocupações acerca do desempenho sexual e uma redução do sentimento subjetivo de excitação e prazer sexual. Uma disfunção erétil é capaz de perturbar um relacionamento conjugal ou sexual existente, podendo ser a causa de casamentos não consumados e infertilidade. Este transtorno pode ser associado com transtornos de desejo sexual hipoativo e ejaculação precoce(Ver link) .

CAUSAS MISTAS

Na prática, a grande maioria dos pacientes tem uma causa orgânica associada à uma causa psicológica. Qualquer homem com disfunção erétil, jovem ou idoso, fica preocupado com a sua situação, antes, durante ou após o ato sexual.

Quem convive com este problema vive com medo até mesmo de se aproximar de mulheres, pois não quer correr o risco de passar outra vez pelo constrangimento que a situação lhe trouxe. Todo paciente com alguma doença causadora de disfunção erétil tem o fator psicológico associado, tanto faz ser o diabético, o hipertenso ou qualquer outro que junto com sua doença terá também o medo e a expectativa de passar pela falha novamente.





AVENIDA NOSSA SENHORA DE COPACABANA, 680/402
(entre as Ruas Santa Clara e Figueiredo de Magalhães, próximo a estação Siqueira Campos do metrô)
Tel:(21) 2255-1523 /2547-2478
COPACABANA RIO DE JANEIRO RJ
E-mail: masculin@masculin.com.br